Combate à Lavagem de Dinheiro – MP recebe representantes do Ministério da Justiça e do Ministério Público Militar

Blog Single .
O Ministério Público de Sergipe recebeu representantes da Coordenação Geral da Rede Nacional de Laboratório de Tecnologia Contra Lavagem de Dinheiro (LAB-LD) do Ministério da Justiça e do Ministério Público Militar, para tratar de ações no combate à lavagem de dinheiro. Eles foram recepcionados pelo procurador-geral de Justiça Eduardo Barreto d’Avila Fontes e pelo promotor de Justiça e diretor do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), Bruno Melo Moura. “Apresentamos um projeto de reestruturação da Rede LAB-LD, que envolve a disponibilização de tecnologia e a capacitação dos integrantes, e o MP de Sergipe é uma unidade de referência. O vemos como um parceiro muito importante para que possamos ter um resultado ou percepção sobre essa tecnologia que queremos implementar”, disse o coordenador da Rede Nacional de LAB-LD, Cesar Medeiros Cupertino. Também estiveram na reunião: o chefe de Gabinete da PGJ, o promotor de Justiça Arnaldo Figueiredo Sobral; o coordenador do GAECO/MPSE, Fábio Mangueira; e o assessor-chefe do Ministério Público Militar, Dino Elias Pinto (coordenador de tecnologia e responsável pelo desenvolvimento do Sistema Argus). Prova de Conceito O Laboratório de Tecnologia de Combate à Lavagem de Dinheiro do MP de Sergipe participou da Prova de Conceito (POC) feita pela Rede Nacional LAB-LD. A prova está sendo realizada nos principais laboratórios do país e, esse ano, o LAB-LD/MPSE foi incluído no cenário nacional. A POC visa a utilização e o aperfeiçoamento de uma nova tecnologia investigativa, o “Argus Plutônico”, cujo serviço é acessado via VPN conectado diretamente a um servidor de dados que está instalado na sede da Polícia Federal, em Brasília. Dentre as funcionalidades, está o cruzamento automatizado de grande volume de dados disponíveis em análises bancárias. Segundo o diretor do GAECO, Bruno Melo Moura, a realização da POC no LAB-LD do MPSE reforça o trabalho sério realizado no combate à corrupção e lavagem de dinheiro e contribui na produção de ferramentas para auxiliar os demais laboratórios de tecnologia do Brasil. Para o coordenador do Grupo, Fábio Mangueira, esse novo conceito em verificação de dados visa possibilitar maior eficiência e qualidade nas análises de transações bancárias realizadas no âmbito dos laboratórios. Ainda de acordo com ele, as ferramentas desenvolvidas pelo Ministério Público Militar têm trazido para o LABLD/MPSE um ganho significativo no desenvolvimento de novos modelos de mineração de dados. _Com informações do GAECO Núcleo de Comunicação_